Quem não gostaria de ter em sua equipe vendedores que conquistam os clientes e ainda são profissionais que as empresas sabem que podem investir pois sabem que estão engajados com a empresa e seus resultados.

Porém há um problema que surge algumas vezes e que pode trazer sérios transtornos e aquilo que outrora trazia grandes alegrias, se transforma em uma grande dor de cabeça.
Já vi excelentes profissionais que atuavam em suas áreas com grande excelência, dominavam aquilo que faziam, e por algum motivo, a promoção que parecia ser uma premiação se transforma tempo depois na demissão do profissional.
Uma das coisas que acontece vem da parte do próprio profissional, que precisa aprender a desenvolver uma nova mentalidade, quando deixa de ser um profissional tático, operacional ou até mesmo estratégico, passando para ser o líder da área. Porém esse será um assunto para uma outra postagem.
Gostaria de tratar aqui do ponto de vista da compreensão nos planos de sucessão e promoção, onde vejo que empresas não desenvolvem o plano de sucessão/promoção e esse acontece quando menos se espera.  Um exemplo disso acontece quando o superior imediato se desliga da empresa, então quem vai ocupar a posição? Inicia-se o processo de colocar no lugar um profissional, e o primeiro da lista: o ‘interino’, tempo depois, um novo profissional assume a posição e tudo volta ‘ao normal’. Quem já não viu acontecer algo do tipo?
Outros tipos de histórias se repetem nas organizações, e o que me chama mais atenção é que mesmo sabendo que processo de sucessão, promoção são o caminho natural de todo profissional com talento, histórias como essas e outras se repetem.
Então quero aqui trazer a reflexão da importância de uma ferramenta estratégica: O mapeamento de cargos e funções, para assim trabalhar com os talentos e seu desenvolvimento focado para melhor resultado tanto para o profissional, quanto para a empresa. Porém o que se vê é uma bussola que não consegue apontar para o norte e aquilo que deveria ser importante, sempre perde lugar para o urgente, e um dos indicadores disso pode ser percebido através de simples perguntas, como:
  • Quanto tempo se tem gasto com reuniões para tratar problemas?
  • Quanto tempo se tem investido em reuniões para tratar soluções?
Essas duas perguntas parecem ser estranhas, porém a maneira como você investe seu tempo aponta para o tipo de mentalidade presente.
  • Como está sua empresa e seus resultados?
  • Você conhece quais são os ‘gaps‘ de seus profissionais e talentos?
  • Como você tem priorizado os treinamentos?
Nos dias de hoje, na tendência de superar crises e mudanças rápidas, faz-se necessário mitigar erros acertar nos processos internos. Evite erros, desenvolva um trabalho de mapeamento e desenvolvimento de suas áreas chaves e pessoas chaves.
Por este motivo, gostaria de aproveitar e apresentar um programa completo de desenvolvimento de talentos, pessoas chaves e mapeamento de áreas chaves, e isto está ao seu alcance. Tudo pronto e desenvolvido para uma geração 4.0
Espero que tenha sido útil essa reflexão e se for dar um passo na direção, entre em contato.
Abaixo uma breve tela de algumas soluções disponíveis.
Um abraço e até a próxima.
mapeamento de cargo e plano de sucessao
Anúncios